BRASILIA EM CONSTRUCAO

[texto original]

Brasília em Construção por Marcel Gautherot

Brasília, a capital federal do Brasil, foi projetada pelo arquiteto-urbanista Lúcio Costa – inicialmente – para 500 mil habitantes (atualmente possui mais de dois milhões). Sua construção iniciou-se em 1956 e contou com inúmeros edifícios desenhados pelo nosso arquiteto Oscar Niemeyer. Brasília é a única cidade do século XX declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

A seguir, apresentamos algumas fotografias do fotógrafo franco-brasileiro Marcel Gautherot durante sua construção. Nelas aparecem emblemáticos edifícios como o Palácio do Planalto, a Catedral Metropolitana de Nossa Senhora Aparecida e o Congresso Nacional, todos obras de Niemeyer.

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

© Marcel Gautherot

LINHAS APAGADAS

[texto original]

6 exemplos de espaços compartilhados bem sucedido

Eliminar a sinalização de trânsito, os semáforos e os limites espaciais entre os diferentes meios de transporte para criar espaços compartilhados, essa é a aposta de algumas cidades para garantir que suas ruas sejam mais seguras para seus cidadãos.

Embora essa medida possa, à primeira vista, parecer drástica, a experiência de algumas cidades demonstra que as ruas não apenas ficam mais seguras para todos, como também se convertem em lugares que atraem mais pessoas.

Veja, a seguir, o caso de seis cidades que investiram na criação desses espaços compartilhados.

1. Auckland, Nova Zelândia

© wfeiden, via Flickr

© wfeiden, via Flickr

Na Elliot Street, uma das ruas do centro financeiro da cidade, foram removidos os elementos de concreto que separam as calçadas da rua, criando uma superfície plana contínua. Também foram apagadas as faixas duplas amarelas que delimitavam as pistas por onde circulam os automóveis.

As medidas foram implementadas em 2011 e, desde então, a velocidade dos veículos foi reduzida (sobretudo durante o dia), o número de acidentes não aumentou e a quantidade de carros em circulação diminuiu.

2. Bohmte, Alemanha

Em 2007 as autoridades dessa pequena cidade optaram por eliminar a sinalização de trânsito em todas as ruas, pintando-as com um tom avermelhado que não distingue os espaços para cada modal de transporte. Além disso, foram removidos os estacionamentos das ruas.

Uma vez realizada a intervenção, o prefeito da cidade contou à Reuters que “o trânsito não dominaria mais”, e o Chefe da Polícia Municipal afirmou que as pessoas passaram a se comunicar mais umas com as outras nas ruas.

3. Drachten, Países Baixos

© NACTO, via Flickr

© NACTO, via Flickr

Hans Monderman foi um engenheiro de tráfego holandês considerado um dos criadores dos espaços compartilhados, uma proposta que foi aceita e promovida pela União Europeia.

Uma das primeiras cidades em que ele implementou a ideia foi Drachten, onde, semelhante aos outros lugares, foram eliminadas as sinalizações de trânsito, resultando na diminuição dos acidentes, no aumento da velocidade do transporte público e no descongestionamento do centro.

4. Londres, Reino Unido

© NACTO, via Flickr

© NACTO, via Flickr

Na rua Kensington High, uma importante avenida comercial da capital britânica, as pistas foram estreitadas, novos cruzamentos foram criados e apenas um semáforo foi mantido.

Embora as mudanças não tenham sido tão drásticas como em Poynton ou na Praça Elwick em Ashford, seus efeitos foram bastante positivos, segundo informa uma pesquisa desenvolvida em 2006 pelo Transport for London (TfL), Departamento de Transportes da cidade.

O estudo aponta que os acidentes de trânsito passaram de 66 a 34 ao ano, enquanto que o fluxo de pedestres aumentou 7% e o de bicicletas 30%.

5. Norrköping, Suécia

©  moonhouse, via Flickr

© moonhouse, via Flickr

Norrköping é uma cidade de tradição universitária localizada próximo de Estocolmo que, em 2004, transformou um cruzamento conflituoso no centro em um espaço compartilhado.

Cerca de 13 mil veículos passam por esse lugar diariamente, porém, o congestionamento diminuiu, o número de pedestres aumentou e a atividade comercial se consolidou no local.

6. Seattle, Estados Unidos

© citywalker, via Flickr

© citywalker, via Flickr

Seguindo a linha das intervenções anteriores, em abril do ano passado Seattle inaugurou o Bell Street Park.

Uma área de 56 mil metros quadrados compreendida por quatro quadras por onde era difícil a circulação de pedestres foi transformada em um espaço sem desníveis e sinalização. Em vez disso foram instalados mais mobiliários urbanos para tornar a experiência dos cidadãos mais agradável e confortável.

CICLOVIAS NA HOLANDA E CARROS X BICICLETAS – POR BLOG BICYCLEDUTCH (MARK WAGENBUUR) E AGÊNCIA SALVE.

Modulação

CARROS X BICICLETAS

Nós adoraríamos se tivéssemos ciclovias seguras para utilizá-las. A competição entre carros, motos e ônibus é desleal e o ciclista (como o pedestre) são violentamente intimidados a não usarem as ruas. Estes dois vídeos expõem o desejo de utilizar as “bikes”, e como as cidades Holandesas encararam o problema.

View original post 230 more words