ECOLOGIAS POLITICAS

[texto original]

Much of the waste from 600 abandoned mines around South Africa’s largest city is piled high next to residential communities – most of which are poor and black

Johannesburg's Soweto Riverlea neighbourhood under a slag heap from a gold mine.
Johannesburg’s Soweto Riverlea neighbourhood in the shadow of a gold mine slag heap. Photograph: Alamy

Up close, it’s a different story. Rasalind Plaatjies has lived in the shadow of a “tailing” – as these piles of mine waste are known – all her adult life. Today, the 62-year-old grandmother from the city’s Riverlea district suffers severe respiratory problems. For 16 hours a day, she is hooked up to an oxygen tank, her lungs debilitated by dust from the waste heap.

“Sometimes I don’t have the energy to get up. I just have to stay in bed and do nothing,” she says. She feels fortunate, though. A number of her elderly neighbours have died from respiratory disease.

Plaatjies is one of tens of thousands in Johannesburg’s impoverished townships who are paying a high cost for the city’s rich mining past. More than 600 abandoned mines surround South Africa’s largest city, with much of their waste now piled up high next to residential communities – most of which are poor and black.

Rasalind Plaatjies, 62, suffers severe respiratory problems. ‘Sometimes I don’t have the energy to get up.’
Rasalind Plaatjies has severe respiratory problems. ‘Sometimes I don’t have the energy to get up.’ Photograph: Melusi Nkomo

Residents here fear the wind most. When it blows, fine particles from these man-made dumps are carried up into the air and deposited on to residents’ homes. It is no ordinary dust, either: the residue of decades of mining, it can contain traces of everything from copper and lead to cyanide and arsenic.

“During August and September, the dust is terrible. You stop cleaning the floor after a while. It’s just useless,” says Plaatjies.

In the local clinic, respiratory cases such as tuberculosis and asthma are ubiquitous across all age groups, says Musa Mbatha, chairman of the clinic’s civic committee. Rashes and skins diseases are commonplace, too.

“People can’t afford to buy food every day, so they leave the food and it gets contaminated,” Mbatha adds. “The government said that it would do a survey of the health impacts of the mining dust, but until today it hasn’t happened.”

An even more dangerous pollutant is lurking in Johannesburg’s mine dumps, however: radioactive waste. According to one university study, an estimated 600,000 metric tonnes of radioactive uranium are buried in waste rock in and around Johannesburg – around three times what was exported during the Cold War.

“[Johannesburg] is undoubtedly the most uranium-contaminated city in the world,” says Dr Antony Turton, a professor at the University of Free State’s Centre for Environmental Management.

Uranium naturally occurs in reefs alongside gold, meaning the two are often excavated at the same time. For every tonne of gold mined in the Witwatersrand gold fields – the southern sections of which border western Johannesburg –between 10 and 100 tonnes of uranium were also mined.

An aerial view of mine dumps near Johannesburg.

Pinterest
An aerial view of mine dumps near Johannesburg. Photograph: Richard Du Toit/Minden Pictures/Corbis

“For most of the gold mines, uranium was merely a waste product and therefore dumped without being recovered. Those tailing disposal facilities therefore have a relatively high uranium concentration today,” Turton says.

Without the proper precautions in place, ore-bearing uranium leaches from the tailings and enters as run-off into surrounding streams and wetlands. A similar process occurs in abandoned mines underground, with polluted water seeping through porous rock as the mines flood.

Despite its vast reserves of groundwater, Johannesburg pumps most of its drinking water from Lesotho – more than 380km away – because its own water reserves are too polluted.

Mine waste is also removed illegally from tailings for use in the manufacture of bricks and for other construction purposes, some environment groups allege. Potentially, the physical infrastructure of Johannesburg could be becoming radioactive as well.

The release of uranium in dust form can be exacerbated by the re-mining of tailings – a process that happens in various locations across the city. The companies involved in this re-mining maintain that they are providing an environmental service by removing waste and depositing it in modern tailings that are better regulated.

David van Wyk, chief researcher at the Bench Marks Foundation, a church-funded non-profit based in Johannesburg, is sceptical about mining companies’ environmental practices. “When the uranium price is very low, the mining companies simply dump it. That’s why the dust is yellow. We call it ‘yellow cake’,” he says.

Bench Marks, which receives support from UK charity Christian Aid, is mid-way through a three-year impact assessment of pollution levels in an around Johannesburg’s Soweto district. By systematically tracking air and water contamination, Bench Marks hopes to provide a scientific basis for the alleged health impacts of the tailings.

A handful of randomised spot-checks reveal the extent of the pollution problem. For example, in a narrow run-off canal immediately opposite Soccer City, site of the 2010 Fifa World Cup final, van Wyk picks out the colours along the bank: red for iron, white for sulphur, green for copper, yellow for uranium, and so on.

The pH level measures 4.6: within the range for acid rain (neutral water has a pH level of 7). The figure for Total Dissolved Solids (a measure of minerals, metals and other insoluble materials), meanwhile, is 2,000 parts per million – four times higher than the guideline amount in the US.

A street in the Riverlea township. Rainy season causes polluted water from Johannesburg’s mine dumps to flood into local water courses.
A street in the Riverlea township. Rainy season causes polluted water from Johannesburg’s mine dumps to flood into local water courses. Photograph: Oliver Balch

“When it floods, this just goes straight into the river. You’d expect the government to check that the mine water isn’t spilling into local watercourses, but they are not,” van Wyk says. “This is happening in the centre of South Africa’s largest city, close to the Department of Environmental Affairs’s main office. If they can’t regulate so close to their headquarters, just imagine how bad it is elsewhere?”

A few miles away, the township of Diepkloof in Soweto catches the run-off from several large tailings. A few hundred feet from residents’ front doors, a run-off canal has burst its banks. A hardened white wasteland now stands where reeds and plants used to grow. A lifeless stream runs next to it. The soil’s surface, meanwhile, is scuffed with the imprint of cattle hoofs and children’s feet. The soil has a pH of 2.67 – more acidic than vinegar.

Just downstream, an evangelical church carries out full-immersion baptisms in the water, points out Charles van der Merme, a representative of the non-profitMining and Environmental Justice Community Network of South Africa. “They think they are cleansing themselves,” he says. “Who knows? Perhaps it kills all the devils in you.”

David Van Wyk, research director of charity Bench Marks, tests water in a run-off canal in Soweto.

Pinterest
David Van Wyk, research director of charity Bench Marks, tests water in a run-off canal in Soweto. Photograph: Melusi Nkomo

Bench Marks does not currently have a Geiger counter, but even the Chamber of Mines of South Africa admits that radioactive contamination is a “major problem”.

Five years ago, the government identified 36 “priority areas” affected byradioactive acid mine drainage for remediation. Today, not a single one of these sites has a feasible implementation strategy in place. According to the Cancer Association of South Africa, the health of up to 400,000 people could be affected.

“It’s totally inappropriate that communities live on waste that is widely accepted to be toxic and radioactive,” says Mariette Liefferink, chief executive of theFederation for a Sustainable Environment.

According to the Chamber of Mines, all current re-mining meets regulations that prohibit radioactive contamination run-off. The problem lies instead with the owners of historic dumps that “cannot be traced or are not in a position to take responsibility for the required remedial measures,” the industry body states.

For its part, DRD Gold, which is currently involved in secondary gold mining of the Diepkloof tailing, says it is “constantly searching for new methods of dust suppression”. Among the measures it is currently using are netting and vegetation growth. Neither were visible on the Diepkloof dump, however.

According to the company, DRD Gold spends up to R48m (£2.5m) a year managing the environmental impacts of its operations, which stretch over 70km around the city. “Any [pollution] readings that exceed the legal limits are automatically flagged and managed in terms of an automated action list”, a company spokesperson stated.

For those living in the shadow of the dumps, a sense of hopelessness pervades. Sixty-two-year-old Stella Adams, a long-term resident of Diepkloof, has written to numerous government departments to complain about the high levels of dust in her home. “All I am asking for is some vegetation [on the tailing]. I am just asking for the most basic thing,” she says. “But nobody has ever given me a hearing … so I have lost hope.”

Adams’s grandson developed asthma shortly after moving into her home six years ago. Her sister recently died from lung cancer, despite never having smoked. Adams assumed the cancer was hereditary, so made no mention to doctors of the nearby tailing. “Now I wonder if it had to do with the mine after all.”

As well as cancer, high radioactive levels are linked to other health risks such as Parkinson’s disease, Alzheimer’s, neurotoxic syndromes and growth deficiencies. Even so, residents in Johannesburg’s poor townships have little choice but to stick it out.

In the Soweto district of Meadowlands, for example, hundreds of government-built houses are currently going up in the Fleurhof extension community. Mine dumps tower above the development on all sides. Yet, despite knowing the dangers, 41-year-old Charles van der Merme says he would move there “in a flash”.

One of the millions of unemployed residents in this city of 4.8 million, he and his family currently live with his parents-in-law in the township of Riverlea. “I applied for a government house in 2000 and I’m still homeless,” van der Merme says. “Despite all the ills from the mine dumps, I would like a house of my own. Where else can I go?”

SOBRE BELO MONTE

[texto original]

Lançado nesta segunda (30/6) pelo ISA, o “Dossiê Belo Monte – Não há condições para a Licença de Operação” traz como um de seus principais alertas os problemas que envolvem a remoção dos moradores das ilhas e margens do Rio Xingu que serão alagadas permanentemente com a formação do reservatório da hidrelétrica de Belo Monte, em construção em Altamira (PA).

Em junho, o Ministério Público Federal (MPF) inspecionou a remoção e verificou dezenas de irregularidades. Após receber denúncia do MPF, a Secretaria Geral da Presidência pediu a paralisação imediata da “balsa da demolição”, que há meses percorre o Xingu retirando ribeirinhos e pescadores que estão nas áreas a serem alagadas, até que a Norte Energia, empresa responsável pela obra, assegure às populações removidas condições de manter seu modo de vida, que depende de moradia próxima ao rio (confira abaixo o vídeo da inspeção).

Reassentamento urbano: da promessa à realidade

O reassentamento da população das áreas rural e urbana da região, obrigada a sair rápida e compulsoriamente de suas casas – seja em razão do início da construção das estruturas da usina, seja devido ao futuro enchimento do reservatório – tem sido um processo traumático e desordenado para as mais de oito mil famílias consideradas afetadas pelo empreendimento, segundo o dossiê.

Sem transporte público e acesso com ruas de barro e esburacadas famílias se arriscam para chegar aos novos bairros

O programa de relocação urbana tem sido desorganizado, inadequado e pouco transparente, analisa o documento. Há mais de um ano, praticamente três mil famílias já residem nos novos loteamentos – os Reassentamentos Urbanos Coletivos (RUCs) – sem serviços públicos adequados, incluindo transporte, saúde e educação. Outras tantas famílias, por sua vez, esperam a relocação, em um processo aparentemente subdimensionado pelo empreendedor, que inicialmente cadastrou 5.141 ocupações consideradas atingidas, mas contratou a construção de apenas 4.100 casas. Note-se, ainda, que há famílias que denunciam sequer terem sido cadastradas.

As famílias atingidas que aceitaram indenizações monetárias – em boa medida, por indução e falta de esclarecimento acerca das opções a que teriam direito durante as negociações – receberam valores insuficientes para a aquisição de outros imóveis urbanos, dada a vertiginosa especulação imobiliária provocada pela usina.

Somam-se a isso as negociações desiguais entre atingidos e empresa, que aconteceram sem a mínima assistência jurídica de instituições públicas. Inexplicavelmente, a Defensoria Pública Estadual fechou suas portas em Altamira no segundo semestre de 2014, no pico da obra. Na esteira de uma audiência pública sobre reassentamento urbano convocada pelo MPF, realizada em novembro de 2014, a Defensoria Pública da União (DPU) mobilizou um grupo itinerante de defensores para atuar na cidade, buscando reparar, ao menos em parte, as injustiças e violações cometidas ao longo do processo. Na área rural, não foi respeitado o direito de agricultores e ribeirinhos diretamente afetados a serem reassentados em condições similares àquelas em que antes moravam.

Clique para ampliar

Os reassentamentos rurais coletivos, apesar de previstos e formalmente apresentados como uma opção para as famílias que tinham que escolher uma forma de compensação, não foram implantados. Esse processo – que ocorreu três anos atrás com os antigos habitantes das áreas de instalação das estruturas da usina – vem se repetindo, de maneira tão ou mais grave, com os ribeirinhos e moradores de ilhas do Xingu, populações tradicionais que vivem majoritariamente da pesca. Os dados demonstram que a conversão de populações ribeirinhas em populações exclusivamente urbanas ou agricultoras vem se consolidando, devido à ausência de opções que assegurem sua manutenção na beira do rio.

Segundo dados de janeiro de 2015, das 1.798 famílias que já optaram por uma das propostas de compensação, somente 28 (1,5%) escolheram a suposta alternativa de reassentamento rural coletivo. Outras 1.358 famílias (75%) optaram por indenizações em dinheiro, que não permitem a compra dos caros terrenos às margens do rio. A opção de carta de crédito, ou realocação assistida, contemplou 379 famílias (21%) – ela implica a busca de um terreno ou lote pelo próprio atingido, para posterior compra da área pela Norte Energia, o que é impraticável para populações majoritariamente analfabetas, em um contexto de pouco acesso à informação e caos fundiário. Outras 33 famílias (1,8%) optaram por reassentamento individual, em áreas também sem acesso ao rio.

A pressão de grupos de atingidos levou a Norte Energia a aceitar a construção de ao menos um bairro urbano na beira do rio. O Reassentamento Pedral, como é conhecido, pretende atender as populações indígenas que vivem na cidade de Altamira e parte dos pescadores, que se negaram a ser realocados nos bairros periféricos de Altamira.

Ainda que as obras do reassentamento coletivo do Pedral não tenham se iniciado, e que ele não contemple todas as populações ribeirinhas e extrativistas, deve-se reconhecer que se trata de uma conquista da luta dos atingidos pela adequação das medidas de compensação a suas realidades socioeconômicas e culturais.

Vozes do Xingu – Uma coletânea de artigos para o “Dossiê Belo Monte”O ISA convidou pesquisadores, agentes públicos e representantes de movimentos sociais que atuam na região para escrever seus testemunhos pessoais e técnicos sobre as consequências da ausência ou da ineficácia das ações de mitigação socioambiental executadas pela empresa e pelo poder público, e sobre a real dimensão dos impactos sofridos pelas populações das cidades, do campo e dos rios que vivem nas áreas afetadas pela obra.

As informações trazidas no Dossiê Belo Monte e sua coletânea de artigos demonstram que pouco mudou, ao longo das últimas décadas, no processo de remoção das populações afetadas por grandes obras de infraestrutura na Amazônia. Resta ao governo, especialmente no nível federal, tomar as rédeas do processo, de modo que a Licença de Operação simplesmente não seja concedida enquanto as famílias que ainda residem à beira do Xingu, nas ilhas e nos igarapés, seja dignamente executado. Além disso, precisam ser corrigidas as injustiças cometidas com as famílias obrigadas a sair, em condições precárias e injustas, de suas casas e áreas produtivas, sob pena de se extinguir o modo de vida ribeirinho de toda a área afetada pelo reservatório de Belo Monte.

Os artigos trazem relatos como o do defensor público federal Francisco Nóbrega, que desembarcou na cidade de Altamira com o desafio de representar a única opção gratuita de defesa dos direitos dos atingidos por Belo Monte. Mesmo trabalhando em condições precárias, em um prédio emprestado e sem acesso à internet, a equipe de que ele faz parte, composta por seis defensores, atendeu mais de 400 famílias, somente nas duas primeiras semanas de trabalho. No texto, Nóbrega descreve com propriedade a sequência de erros e condutas perversas do empreendedor em face das populações que foram retiradas dos seus lares para dar lugar à UHE.

A coletânea reúne 24 artigos, sete deles abordam o tema Remoção Forçada (leia aqui a coletânea de artigos “Vozes do Xingu”, no final do arquivo).

MONOCULTURA

[texto original]

Em São Pedro de Catuçaba, uma vila encravada num dos últimos bolsões caipiras do Estado de São Paulo, os moradores ainda se acocoram para ver a vida passar.

Mas se antes o cenário era de tranquilidade no distrito onde vivem cerca de 800 pessoas, hoje a paisagem é outra: a cada 20 minutos um caminhão pesado e barulhento, cheio de toras de eucalipto, corta a rua principal deixando um rastro de poeira.

Nos últimos meses, o povoado de São Luiz do Paraitinga (a 182 km da capital paulista) virou o centro de uma disputa entre moradores indignados com o vaivém de caminhões e a Fibria, a maior produtora de celulose de eucalipto do mundo, responsável pelos veículos.

Editoria de arte/Folhapress
Vila de Catuçaba
Vila de Catuçaba

A rua Coronel Jordão Monteiro, a principal de Catuçaba, é o único caminho para a empresa escoar a madeira de uma de suas fazendas até Jacareí (a 84 km da capital). A empresa afirma ter consultado a comunidade e os poderes Legislativo e Executivo.

O tráfego de caminhões ali já ficou proibido de 2009 a 2014, após ação da Defensoria Pública alegar danos socioambientais gerados pelo cultivo de eucalipto na região. A restrição foi derrubada na Justiça no ano passado.

Os caminhões voltaram há cerca de três meses e já danificaram calçamento da rua, encanamentos e fiações, causaram fissuras em casas e esburacaram a rodovia estadual Abílio Monteiro de Campos, que dá acesso ao distrito.

Segundo o defensor público Wagner Giron De La Torre, só neste ano o DER (Departamento de Estradas de Rodagem) gastou R$ 493 mil em reparos na via. “É o contribuinte pagando pelos lucros da Fibria”, afirma. O DER confirma o valor.

Joel Silva/ Folhapress
Caminhão transportando eucaliptos passa por rua de São Pedro de Catuçaba, no interior de SP
Caminhão transportando eucaliptos passa por rua de São Pedro de Catuçaba, no interior de SP

Tanta foi a pressão dos moradores que os vereadores aprovaram, em abril, uma lei que barra os caminhões.

O prefeito Alex Torres (PR), cuja campanha foi 75% financiada pela Fibria, teve 15 dias úteis para decidir se sancionava ou vetava a lei. No 16º dia, ele a vetou, dizendo que a proibição traria prejuízos econômicos à cidade. A decisão, fora do prazo, não valeu.

Por isso, a lei acabou assinada pelo presidente da Câmara nesta terça-feira (19).

Os moradores de Catuçaba comemoram a aprovação da lei, mas temem que a Fibria mantenha o transporte.

Milton Baracho dos Santos, 72, militar reformado que tem uma loja no distrito, afirma que, no último Dia das Mães (10/5), ao voltar de Taubaté, se viu forçado a desviar de um buraco na rodovia. Seu carro derrapou e capotou, ferindo sua mulher e seu neto.

“Tive perda total. Os caminhões não têm condições de passar aqui”, diz.

Segundo os moradores, o tráfego é maior à noite. Dormir tranquilamente é impossível para o pai de Alessandra Cruz, 17. A estudante diz que a cama dele treme a cada caminhão que surge.

Joel Silva/ Folhapress
Moradores observam movimento de caminhões pelas ruas de São Pedro de Catuçaba, em São Luiz do Paraitinga (SP)
Moradores observam movimento de caminhões pelas ruas de São Pedro de Catuçaba, em São Luiz do Paraitinga (SP)

“As paredes de casa têm rachaduras. Um perito da empresa veio aqui e disse que vão arrumar tudo quando o transporte acabar”, afirma.

Para o lavrador José Augusto Salgado, 47, um dos piores problemas é a sujeira. “Tem que limpar o dia todo a casa por causa da poeira”, afirma.

AMEAÇA

Para o professor aposentado de antropologia da Unicamp Carlos Rodrigues Brandão, que pesquisou Catuçaba por seis anos, a atividade da empresa é uma ameaça ao modo de vida dos moradores.

“Aquela região toda, chamada de ‘bolsão caipira’, não sofreu influência da imigração italiana nem do café. Grande parte dos filmes de Mazzaropi foi inspirada na região. É um reduto de tradições populares muito importante.”

Um projeto de lei, propondo o tombamento da vila, deve ser discutido na Câmara de São Luiz ainda neste mês.

FORDLANDIA

[texto original]

Fordlândia – Duas pessoas jogam sinuca na varanda do Bar do Canhão e um aparelho de som toca alto uma canção de Leandro & Leonardo do início dos anos 1990. Uma menina bonita com traços indígenas assiste à disputa. “Ei, Canhão, mais uma”, um freguês grita e estica o braço esperando por uma dessas latas pequenas de cerveja, de 269ml. O calor é tanto no fim de tarde de sexta-feira no umbigo da floresta amazônica que uma lata maior esquentaria em poucos minutos. Tanto faz, naquele microcosmos do bar—na margem leste do Rio Tapajós, distante seis horas navegando em lancha de Santarém, no Centro-Oeste do Pará —, se os frequentadores estivessem em um lugarejo empoeirado do Vale do Jequitinhonha ou em uma bitaca no sertão de Goiás. Para a maioria dos moradores de Fordlândia, a vida segue indiferente à gigante sombra do passado que os cercam.

O tempo, as ruínas e o descaso com o patrimônio da história quase inacreditável parece tão trivial quanto o cheiro acre das mangas caídas perto do campo de futebol, na parte alta da vila, onde garotos jogam bola e gritam emulando nomes de jogadores dos times do distante Sudeste do país. Surreal, fantástico e outros adjetivos para hiperbolizar as sensações não dão conta de descrever o que é o empreendimento de Henry Ford – um dos pais do automóvel e criador do pilar do capitalismo: o fordismo – no Centro-Oeste do Pará, no final da década de 1920.

Ford, o homem que dá nome à empresa, construiu uma cidade com a arquitetura cape cod, típica do interior dos Estados Unidos, à margem do Tapajós. Trouxe trabalhadores dos EUA, de outros países da América e de diversas regiões do Brasil, tentou criar uma plantação de seringueiras para abastecer suas fábricas de borracha, mas fracassou. Fez um acordo com o governo brasileiro e, em 1945, foi indenizado e abandonou o local que carrega até hoje seu nome.

Setenta anos depois da saída da Ford, esse pedaço de história está completamente abandonado. Do hospital, que foi o maior da Região Norte do Brasil e o primeiro a realizar um transplante de pele no país, só restam algumas paredes, um aspecto macabro de abandono e o mato crescendo entre as brechas do concreto. As casas construídas para os trabalhadores foram modificadas, tiveram detalhes de madeira trocadas por paredes de tijolo e até uma praça, de gosto arquitetônico discutível, foi edificada, alterando a paisagem bem na entrada da vila para quem desembarca no trapiche.

As cinco casas que compunham a Vila Americana, dispostas em uma alameda de mangueiras e com hidrantes ianques vermelhos nas calçadas, abrigavam a diretoria da empresa e eram a esperança da Prefeitura de Aveiro e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para tombar a vila. Porém, quatro casas estão ocupadas por colonos. Da quinta residência só restam ruínas.

As casas estão em uma avenida que era chamada à época da Ford de Palm Avenue, mas as mangueiras frondosas denotam uma concessão da Ford às nuances da selva, como pontua o professor de história da Universidade de Nova York Greg Grandin, no livro Fordlândia – Ascensão e queda da cidade esquecida de Henry Ford na selva (Editora Rocco, 2009), obra mais completa sobre o empreendimento.“Olmos ou bordos teriam definhado no clima quente e úmido. Contudo, calçadas de concreto, luzes elétricas e os hidrantes vermelhos confirmam que a Ford fez aquelas concessões com relutância”, escreveu Grandin.

“O Iphan tem clareza de que apenas tombar não adianta, pois não há ninguém que possa fazer a gestão do local”, afirma a superintendente do Iphan no Pará, Maria Dorotéa Lima. Já se passaram mais de cinco anos desde que foi cogitada a possibilidade do tombamento de Fordlândia, que pertence ao município de Aveiro. Porém, após a decisão ser tomada, as casas da Vila Americana foram ocupadas.

MINHOCA Daniel Dias Pereira, de 37 anos, ocupa uma das casas. Ele nasceu em Ji-Paraná, Rondônia. “Sou filho de colono e você sabe como é. Só anda atrás de terra. Igual minhoca”, explica. Antes de chegar em Fordlândia, Daniel e a família moravam no Mato Grosso. A ideia inicial dele foi ir para Itaituba, cidade de 100 mil habitantes e referência no Centro-Oeste do Pará, também às margens do Rio Tapajós. “Fiquei 30 dias lá, mas me assustei com a terra branca. Estava acostumado com a terra vermelha”, recorda. Foi quando ouviu falar de Fordlândia. Até então, Daniel não fazia ideia da existência da cidade e muito menos da história do local. Conseguiu uma motocicleta e encarou os 100 quilômetros de estrada de terra precária para conhecer. “Andar de barco? Deus me livre”, explicou por que não fez o trajeto mais simples e corriqueiro na região.

Fordlândia foi construída pelo idealismo de Henry Ford e depois vendida ao governo brasileiro. Entre as décadas de 1950 e meados de 1980, funcionaram no local instalações do Ministério da Agricultura, com fazendas de diversas raças de gado. As casas foram habitadas por funcionários do ministério e a maioria segue com as famílias desses funcionários, já aposentados e que continuam na região. Com a desativação da operação, o local ficou abandonado. As pessoas ocupam as terras, mesmo sem ter a documentação, e com o passar dos anos tentam conquistar a posse.

O plano de Daniel quando chegou, em 2008, era conseguir um terreno, construir uma casa pequena e começar a plantar. Porém, em 2011 uma das quatro casas da Vila Americana foi ocupada por um morador da cidade, aposentado do Ministério da Agricultura e que na ocasião era presidente da comunidade, uma espécie de representante do local para pleitear os interesses junto à Prefeitura de Aveiro.

Daniel aproveitou a deixa e ocupou uma casa. O local era só mato e lar de mais de mil morcegos. “Eles ficavam triscando a orelha da gente”, recorda. Ele conta que, para tornar o local habitável, depois de desbastar o mato e se livrar dos animais ele lavou a casa três vezes com desinfetante, para eliminar o cheiro das fezes dos morcegos. Antes de a reportagem do Estado de Minas entrar na casa, Daniel pede gentilmente que fotógrafo e repórter tirem os sapatos. O chão está tão limpo que seria uma crueldade sujá-lo com o barro carregado nos calçados.

Quando o historiador Greg Grandin escreveu o livro, as casas ainda não haviam sido invadidas, e ele encontrou um cenário mais tétrico na Vila Americana: “Os edifícios emoldurados em madeira são protestantes e não muito rebuscados, com telhados de madeira fina, pisos de tábuas, banheiros de tijolos, refrigeradores elétricos e arandelas nas paredes. Decrépitas e tomadas por ervas daninhas, como se poderia esperar, as casas são hoje o lar de colônias de morcegos, que deixaram uma pátina de fezes nas paredes e nos pisos”.

“A comunidade aqui fez rastro de onça. Disse que a Polícia Federal viria atrás e sofri uma pressão muito grande. Mas agora que está tudo arrumado eles respeitam”, entende Daniel. Nos quatro anos de ocupação da casa, plantou 200 pés de maracujá e no ano passado produziu 500 quilos de polpa para suco. Na horta, plantou também açai, jiló, pimentão, alface, cebolinha, coco, banana, abacate, murici, carambola, laranja, caju, araçá, pitanga, couve e tomate. Os três filhos e a esposa ajudam a cuidar da plantação e a maior parte da produção é vendida para a escola da vila reforçar a merenda dos alunos.

Desde que ocupou a casa, Daniel restaurou o assoalho por conta própria, sem nenhuma orientação do Iphan ou de algum especialista em patrimônio histórico. No banheiro, as louças são originais, incluindo uma banheira e as torneiras. Só trocou a descarga. Também pintou a parede e ainda aproveita alguns móveis da época dos norte-americanos, como uma cômoda na sala.

“O pessoal não quer que a gente fique aqui. Eu não sei porque querem que isso se acabe. Mas enquanto eu tiver vida e ninguém me perseguir e ninguém mandar eu vou ficar aqui”

TOMBAMENTO A PASSOS DE TARTARUGAS

PREFEITURA, IPHAN E MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL NÃO SE ENTENDEM. ENQUANTO ISSO, PATRIMÔNIO É MODIFICADO PELOS COLONOS, QUE MARCAM POSIÇÃO E GARANTEM QUE NÃO VÃO ABANDONAR AS CASAS

Recitais de poesia com os versos dos românticos William Woodsworth e Henry Longfellow ocorriam em um galpão de madeira, onde também era a pista para dança dos bailes dos trabalhadores, durante o período da Ford na Amazônia. Quase um século depois, nos dias que a reportagem do Estado de Minas esteve no vilarejo, era realizado um encontro da Associação de Municípios da Transamazônica (Amut), no galpão. O prato principal do almoço oferecido pelo anfitrião, o prefeito de Aveiro, Olinaldo da Silva Barbosa (PSC), o Fuzica, foi sopa de tartaruga. A rapidez no consumo da iguaria degustada pelos governantes das cidades da região não é uma boa metáfora para o processo de tombamento do patrimônio de Fordlândia. Fuzica acredita que a ocupação das casas da Vila Americana pode prejudicar o projeto da cidade de ser considerada patrimônio. “As coisas vão acontecendo e depois que invade fica difícil de tirar”, entende.

“A gente não sabe quem é o comandante disso aqui”, reclama o prefeito, pois, segundo Fuzica, a cidade de Aveiro não tem documentos garantindo a propriedade das terras. Sem os papéis, argumenta o político, a prefeitura não pode fazer nada. Além da ocupação dos colonos, a culpa na demora do processo de tombamento é também responsabilidade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que, na visão do prefeito, “não toma posição”.

Para a superintendente do Iphan no Pará, Maria Dorotéia de Lima, a prefeitura não tem corpo técnico e nem condição de fazer a gestão de Fordlândia. “Não adianta implantar museu se não tem estrutura”, afirma. Maria Dorotéia reconhece os méritos do local para o tombamento, mas não vê solução no horizonte. “Dependeria da costura de vários ministérios”, especula. O Iphan tentou firmar parcerias com a Universidade Federal do Oeste do Pará e com o Instituto Butantan, mas não teve sucesso. Sobre a questão fundiária e a falta de documentos regulamentando a posse da terra, a superintendente do Iphan no Pará afirma que está tratando do assunto com a Secretaria de Patrimônio da União (SPU), órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, mas não obteve uma resposta definitiva.

Em janeiro deste ano, o Ministério Público Federal (MPF) fez um alerta ao Iphan pedindo rapidez no processo de tombamento. “Não podemos obrigar o Iphan a fazer o tombamento. Fizemos uma recomendação que funciona como alerta”, detalha a procuradora do MPF em Santarém, Janaína Andrade.

Para a procuradora, o prefeito Fuzica está se omitindo de suas responsabilidades. “Ele assinou um termo de compromisso para dar segurança ao patrimônio e não fez isso. Precisamos de garantia para repassar a responsabilidade para o município de Aveiro”, afirma Janaína.

Na análise da procuradora, o prefeito tem dificuldade de entender a importância do patrimônio cultural de Fordlândia. “Ele ainda não assimilou a importância disso”, acredita. O MPF avalia, segundo a procuradora, que o Iphan demonstra preocupação, mas depende também da boa vontade do poder público municipal.

“Existe um projeto de R$ 19 milhões para restaurar todo o patrimônio de Fordlândia e até hoje nada aconteceu. Perguntei quem licitaria e ela (Maria Dorotéia de Lima, do Iphan) disse que era o governo federal, mas até agora só vi conversa. Ação nenhuma”, rebate o prefeito Fuzica. O prefeito afirma que o Executivo municipal está fazendo um levantamento do patrimônio e que pretende negociar com os colonos que ocuparam as casas da Vila Americana. “Com jeito vamos mostrar que as casas podem ser úteis para algum projeto”, acredita Fuzica.

O mentor da ocupação na Vila Americana é Expedito Duarte de Brito, de 70 anos. Em 2009, Expedito foi eleito presidente da comunidade, espécie de líder comunitário de Fordlândia. “Andava na Vila Americana e via aquele monte de cupim comendo as casas, morcegos e animais peçonhentos. Fiquei com dó de aquilo se acabar e fui morar em uma das casas para conservá-la e inibir a presença dos vândalos”, explica Expedito.

Expedito disse que enviou um ofício para o Iphan, em 2010, e outro para a SPU informando do seu desejo e que, segundo ele, não obteve resposta e então decidiu ocupar a casa. No mês de junho daquele ano, uma equipe de documentaristas da Alemanha esteve em Fordlândia e Expedito retirava os móveis das casas para guardar em um galpão. Concedeu entrevista para os alemães com a postura de dono do pedaço. A superintendente do Iphan, Maria Dorotéia Lima, assistiu ao documentário e questionada pela reportagem disse: “Não sei de onde esse cidadão (Expedito) se investiu dessa autoridade”.

Expedito procurou Daniel e um outro colono, chamado de Baiano, e conclamou os dois a ocuparem as outras casas, o que foi feito rapidamente. “Enquanto eu tiver vida eu fico aqui”, garante Expedito, que é funcionário aposentado do Ministério da Agricultura.

A postura de Expedito e dos dois colonos não é totalmente recriminada pelos moradores do local. O professor Pedro Paulo Porto, que foi diretor da escola da localidade, procura entender os dois lados. “Muita gente tem saudosismo e queria que não mexessem nas casas, mas eles estão também zelando o patrimônio”, avalia. “Desde que eles não se apossem de forma definitiva”, ressalta.

HOSPITAL Pedro acredita que o ideal seria as casas no seu estilo original e conservadas por funcionários do governo federal, mas entende as dificuldades. Ele cita o exemplo do hospital, que, abandonado há décadas, foi totalmente depredado em 2012, quando moradores arrancaram o que restava do telhado e do mobiliário, deixando somente as paredes.

O hospital de Fordlândia foi construído no alto da colina, distante 800 metros da margem do Tapajós. Quem caminha em direção ao hospital passa em frente à casa de Raimunda Silva e vê sua arara de estimação, Iara, brincando no terreiro. “Eu alimentava ela só com comida de panela, mas uma veterinária disse que com o tempo ela poderia começar a comer ela mesma. Passei a dar frutas e castanha-do-pará”, detalha Raimunda.

O projeto do hospital foi elaborado pelo arquiteto Albert Khan, o mesmo que projetou as fábricas da Ford em Highland Park e River Rouge, nos Estados Unidos. A capacidade era de 100 leitos e foi um dos mais modernos do país, sendo o primeiro a realizar um transplante de pele. Hoje, é só mato e ruínas. No local abandonado, somente o zumbido de mosquitos interrompe o silêncio.

“Eu sou uma pessoa muito idílica nesse caso. Eu gostaria de ver a casa do jeito que ela era e sendo conservada por um funcionário”

Pedro Paulo Porto,
professor de literatura

ELDORADO AMAZÔNICO

CONCEBIDA PARA ALIMENTAR DE BORRACHA AS FÁBRICAS DE AUTOMÓVEL, FORDLÂNDIA ATRAIU PESSOAS DE TODA A AMÉRICA, MAS UMA SUCESSÃO DE ERROS IMPEDIU O ÊXITO E 70 ANOS DEPOIS ESTÁ ABANDONADA

Filho do venezuelano Ricardo Bouillet, chefe de operações da Ford, Leonardo Bouillet nasceu em Fordlândia, em 1940. “Meu pai é de La Guaira e veio trabalhar aqui”, conta Leonardo, atual secretário de Administração da Prefeitura de Aveiro. Ele viveu os primeiros anos da infância ainda sob a batuta da Ford. Leonardo se lembra da cidade com o modelo norte-americano, dos carros importados cruzando as ruas, do apito da fábrica chamando os funcionários e avisando a hora da troca de turno. “Até 1952 era como eles tinham deixado. Bem conservado. Piorou depois que passou para o governo brasileiro e quem ficou administrando foi o Ministério da Agricultura. Mantiveram a conservação. Entrou a política e aí começou a esculhambação”, avalia Leonardo.

Fordlândia atraiu trabalhadores de outros países da América do Sul, além de brasileiros que fugiram da seca nordestina, no final da década de 1920 e início da década de 1930. Todos confiavam, segundo detalha o professor de história da Universidade de Nova York, Greg Grandin, no livro Fordlândia – Ascensão e queda da cidade esquecida de Henry Ford na selva, na imagem de êxito projetada pelo capitão da indústria, Henry Ford: “Homem mais rico do mundo, ele era o iluminado – o ‘Jesus Cristo da indústria’, como o chamou um escritor brasileiro, ao passo que outro o chamou de ‘Moisés’ do Novo Mundo – e a salvação da, havia muito, moribunda indústria brasileira da borracha e também da Amazônia”.

A concepção de Fordlândia surgiu na mesma época em que Henry Ford lançava o modelo A, em Nova York, em 1927. O maior sucesso da empresa era o Ford modelo T, êxito de mercado desde seu lançamento, em 1908, mas que enfrentava a concorrência da emergente General Motors. Na ocasião do lançamento, Ford disse aos jornalistas que cogitava viajar ao Brasil para inspecionar sua plantação de seringueiras. Os detalhes foram dados por seu filho, Edsel, que contou ao mundo o que viria a ser chamado de Fordlândia. Henry Ford morreu em 1948 sem nunca ter pisado em Fordlândia.

O contexto internacional era de crise no mercado da borracha, com preços inflacionados pelos produtores do Sudeste Asiático. O Brasil liderou a produção mundial de borracha durante o século 19, mas no início do século 20 perdeu a primazia para as colônias inglesas do Sudeste da Ásia. Com o fim da 1a Guerra Mundial, o preço da borracha começou a cair e o então secretário de estado para as colônias da Inglaterra, Winston Churchill, aprovou a ideia de um cartel para sustentar os preços. Henry Ford buscou uma solução para escapar da estratégia de Churchill e foi parar na Amazônia.

A notícia se espalhou, em velocidade mais lenta que a atual, mas suficiente para alimentar o mito do eldorado amazônico. Na mitologia tropical, o Eldorado é um local em que há um rei índio tão rico com pó de ouro bastante para se cobrir. O mito sempre atraiu um sem fim de caçadores de fortuna para a Amazônia.

Greg Grandin detalha em seu livro que Henry Ford tinha mais de 60 anos quando planejou Fordlândia. Ford na cidade a sua visão da América.“Essa visão se originava da sua criação numa fazenda em Dearborn e significava usar sua riqueza e seu método industrial para salvaguardar virtudes rurais e corrigir males urbanos”, escreveu o historiador.

Para Ford, o homem que trabalha arduamente deveria ter uma poltrona, um lugar ao lado da lareira e um ambiente agradável. Pensando assim, ele mandou construir as casas com telhados de madeira, no estilo cape cod, e recomendou que plantassem flores nos jardim e comessem pão de trigo e arroz integral. “Aquele assentamento se tornou o clímax para toda uma vida de concepções ousadas a respeito da melhor maneira de organizar a sociedade”, completa Grandin, que mostra em seu livro que nos primeiros anos, violência e desperdício tornaram Fordlândia mais inóspita do que as cidades mais notórias do Velho Oeste dos EUA.

“A taxa de mortalidade por malária e febre amarela era alta. Curvando-se para cortar os arbustos com facões, muitos trabalhadores da linha de frente morriam picados por serpentes. Aqueles que fugiam da plantação levavam consigo histórias de lutas de facas, tumultos e greves. Reclamavam da comida estragada e de supervisores corruptos e incompetentes, que roubavam seus salários e transformavam a floresta em um buraco de lama, queimando grandes trechos de selva sem a menor ideia de como plantar seringueiras. Talvez tenha sido o maior incêndio até hoje provocado pelo homem naquela parte da Amazônia, com folhas em chamas flutuando para a outra margem do rio enquanto as cinzas enchiam o céu, transformando as nuvens da estação chuvosa numa névoa cor de sangue”, esmiuçou o historiador em seu livro.

Os boatos de que Ford contrataria milhares de funcionários pagando a quantia de US$ 5 por dia atraíram muitos brasileiros, principalmente nordestinos, que levavam com eles a família e construíram casas improvisadas com caixas e restos de lona. “Em vez de uma cidade virtuosa brotando do verde da Amazônia, os comerciantes locais montaram bordéis, bares e cassinos cobertos de palha, transformando a Fordlândia numa próspera cidade na floresta tropical. Depois de algum tempo, os gerentes conseguiram estabelecer sua soberania sobre o lugar e realizaram algo mais próximo da visão de seu patrão”, escreveu Grandin.

Chamada de Revolta das Panelas, a primeira rebelião dos trabalhadores aconteceu em 1930. Eles não aceitavam a imposição dos hábitos dos norte-americanos, principalmente os alimentares. Cinco anos depois, quando a situação parecia controlada e as seringueiras plantadas deveriam começar a produzir o látex, veio uma praga e o fungo das folhas dizimou a plantação. Ford insiste na ideia e transfere as operações para a cidade de Belterra, em 1936, transformando Fordlândia em centro de pesquisa, escola de enxertos e viveiro para mudas.

Com a Segunda Guerra Mundial, Fordlândia e Belterra se engajaram nos esforços de guerra e voltaram à produção do látex para abastecer o Exército norte-americano. Ao fim dos combates as duas cidades foram vendidas para o governo brasileiro. Quem assumiu o controle foi o Instituto Agronômico do Norte (incorporado pelo Ministério da Agricultura posteriormente), que mandou arrancar as seringueiras e substituí-las por juta e cacau, além de introduzir o gado zebu.

DE VOLTA AO BAR DO CANHÃO Raimunda Jordilena bebe cerveja e explica que uma das vantagens de ‘Forlândia’ – pronunciada sem a letra “d” por quase todos os locais – é o custo de vida. É possível viver com pouco dinheiro. Raimunda é cabeleireira em um salão improvisado na sala de casa e cobra R$ 7 para cortar o cabelo e apenas R$ 2 para fazer as sobrancelhas. O peixe, principal alimento, é abundante no Rio Tapajós, e para pescá-lo basta uma pequena rede e um pouco de paciência. O predileto de Raimunda é o piau assado, mas ela ressalta que no distrito onde nasceu, Brasília Legal (também parte da cidade de Aveiro) faz sucesso o festival do tucanaré.

A esposa do dono do bar tenta acender uma churrasqueira. Usa um monte de palha para carburar o carvão e provoca um grande fumacê. Um freguês galhofa: “É para espantar as muriçocas”. As pessoas parecem alegres. O final da sexta-feira é bonito, após uma tarde quente de sol—os dias anteriores foram de tempo nublado. Ao lado do bar uma placa anuncia gasolina por R$ 4 o litro. O público roda quase só de motocicletas: são motos pilotadas por homens, mulheres, adolescentes e até crianças. Todos sem capacete. Quase não há carros nas ruas planejadas por obra e encomenda de um dos criadores do automóvel.