MILITARIZACAO COMO SOLUCAO

[texto original]

A militarização é a solução para a crise de refugiados na Europa –abrir fronteiras vai apenas fortalecer a direita xenófoba populista. A declaração é do filósofo esloveno e ícone pop Slavoj Zizek.

Aos 66 anos, Zizek não tem medo de chocar, seja ao escrever para o catálogo de roupas de jovens da Abercrombie & Fitch, confessar que guarda suas meias nos armários da cozinha ou pregar a violência revolucionária.

E não se furta a criticar a visão “humanitária” da esquerda liberal europeia, que estaria santificando os refugiados. “A fórmula liberal pura diz que devemos tolerar o estilo de vida de qualquer grupo étnico, mas isso não funciona; foi muito embaraçoso para meus amigos de esquerda ver que grupos muçulmanos na Alemanha, Suécia, Dinamarca e Holanda estavam atacando gays, uma vez que homossexualidade é inaceitável para eles.”

Abaixo, trechos da entrevista concedida à Folha por Zizek, que lança o “O Absoluto Frágil – ou Por Que Vale a Pena Lutar pelo Legado Cristão?”, pela editora Boitempo, nesta semana.

João Wainer-5.dez.2003/Folhapress
Filosofo eslovaco Slavoj Zizek durante visita à Folha em 2003

*

Folha – Recentemente, o senhor publicou um artigo sobre a crise de refugiados na Europa. O senhor afirma que abrir as fronteiras não é uma solução realista. Então o que deveria ser feito?

Slavoj Zizek – Abrir as fronteiras é a solução errada. Pode ser chocante para você, mas a única solução realista a longo prazo é mudar a política do Ocidente. Obviamente o Ocidente é corresponsável pelo fluxo de refugiados.

Está claro que os refugiados vêm de áreas colonizadas economicamente pelo Ocidente, em que as potências ocidentais destroem as comunidades locais, basta olhar para a África.

Além disso, a maior parte dos refugiados vêm de países no Oriente Médio que foram desestabilizados por intervenções militares ocidentais. Até Tony Blair (ex-primeiro ministro britânico que apoiou a invasão do Iraque em 2003) admitiu em entrevista recente que a ocupação ocidental no Iraque desestabilizou o país, deu origem ao Estado Islâmico e ao fluxo de refugiados. Com a Líbia foi igual, sob Muammar Gaddafi as coisas estavam sob controle, e hoje o país não existe mais como Estado.

Por outro lado, não podemos dizer ‘somos culpados, então simplesmente vamos permitir que venham os refugiados’. Se fizermos isso, haverá uma revolta populista de direita, anti-imigração, que já está ocorrendo. O principal efeito político da onda de refugiados é o fortalecimento dos políticos de direita, populistas e anti-imigração.

A única solução que enxergo, no curto prazo, é a militarização. Sim, você ouviu bem. O caos atual, com dezenas de milhares de pessoas andando pela Europa, sem saber onde vão ficar, é intolerável.

Só uma grande organização como as Forças Armadas podem fazer isso –primeiro, estabelecer centros de triagem onde a crise está: sul da Turquia, Líbano, Líbia. Nesses centros, os refugiados seriam registrados, e seria determinado quais estão realmente em perigo, e só esses seriam mandados para a Europa.

A Eslovênia, um país pequeno com 2 milhões de habitantes, está recebendo 10 mil refugiados por dia. A Croácia simplesmente os manda para cá e nós os colocamos em barracas. Essa desorganização não pode continuar, por isso é necessário ter uma militarização.

Por que não fizeram essa organização antes, esse processamento nos locais de origem dos refugiados?

É um grande mistério. Eu não consigo entender a inércia da Europa. Há uma sentimentalização de toda a questão dos refugiados e precisaremos quebrar muitos tabus. Refugiados são gente como a gente –alguns são bons, outros são maus. Gente como a gente não significa que sejam todos bons, e isso não é argumento para racismo, pelo contrário, é uma abordagem realista.

Muita gente defende a integração dos refugiados nas nossas comunidades. A minha pergunta, que é praticamente proibida na Europa, é a seguinte: eles querem se integrar? Eles querem reter seu estilo de vida ao mesmo tempo em que se integram ao mercado de trabalho europeu. E isso causa problemas.

A fórmula liberal pura diz que devemos tolerar o estilo de vida de qualquer grupo étnico. Mas isso não funciona. Foi muito embaraçoso para meus amigos de esquerda ver que grupos muçulmanos na Alemanha, Suécia, Dinamarca e Holanda estavam atacando gays, uma vez que homossexualidade é inaceitável para eles.

Outro problema: foi realmente estúpido o governo francês proibir o uso de véu. Mas e se uma menina muçulmana se recusa a usar o véu e a família quer forçá-la? Não é um problema marginal, acontece frequentemente na Alemanha.

O Estado deve proteger a menina ou não? Se o Estado interferir, muçulmanos dirão que estamos arruinando seu modo de vida, porque a autoridade patriarcal é um ponto central. Então onde está o limite? Aceitamos a opressão como parte de um estilo de vida? É preciso ter regras claras.

Não sou um fanático de direita, sei que os refugiados estão em uma situação dramática. Mas nós, na Europa, agimos como se eles estivessem saindo de um buraco negro para a Grécia, estivessem partindo do nada.

O que está acontecendo do outro lado? Este fluxo de refugiados não tem geração espontânea, há uma enorme rede de coiotes. Os refugiados que chegam à Europa são os ricos, que têm dinheiro para pagar os coiotes. E o que estamos fazendo em relação aos coiotes?

Outra pergunta: a maioria dos refugiados são muçulmanos sunitas, mas países sunitas muito ricos, como Arábia Saudita, Qatar, Kuait e Emirados Árabes, não recebem praticamente nenhum refugiado. Depois de muita pressão, a Arábia Saudita concordou em receber 12 mil, mas disse que isso é tudo. Por que esses países sunitas ricos não acolhem mais refugiados?

Não podemos ter dezenas de milhares de pessoas andando sem rumo no meio da Europa densamente habitada. Isso é loucura. Já está levando a uma revolta da direita populista: na Suécia, o partido mais forte é o anti-imigração; na última eleição polonesa, a direita ganhou e na Hungria, os anti-imigração estão se fortalecendo.

Como o senhor encara a ascensão do Estado Islâmico, que está criando um “califado” dentro do Iraque e da Síria, propondo uma alternativa às democracias seculares e usando a violência como arma revolucionária, algo que o senhor aborda em seus textos?

Nesse caso, eu concordo com o termo islamofascismo. A ascensão do fundamentalismo islâmico é um efeito do desaparecimento da esquerda socialista secular em países muçulmanos. É uma tragédia. Olhe para o Iraque e a Síria. Ainda que sejamos contra Saddam Hussein e Bashar al-Assad, e certamente eles foram tiranos brutais, esses países eram oficialmente seculares e agora os estamos perdendo. É a tragédia das intervenções ocidentais.

O que o Ocidente deveria fazer para evitar que mais sangue seja derramado na Síria?

Idealmente, deveríamos intervir, mas não vejo nenhuma força que possa fazer essa intervenção. A única solução verdadeira é mudar o funcionamento do capitalismo global. Refugiados são parte do capitalismo global, e nós estamos à beira de um choque de civilizações –de um lado, refugiados furiosos, de outro, europeus apavorados.

Os governos bolivarianos e de esquerda na América Latina, que se propunham a ser uma alternativa ao modelo calcado no Consenso de Washington, enfrentam enormes desafios. A Venezuela de Maduro vive uma crise social e econômica, a Argentina kirchnerista acaba de sofrer um baque eleitoral e o Brasil deve encolher 3% este ano. Qual foi o erro da esquerda latino-americana?

Nem todos os países vão mal, a Bolívia, de Álvaro García Linera, vai muito bem…

Ok, com exceção da Bolívia…

Eu nunca confiei no kirchnerismo. O peronismo, no longo prazo, é uma catástrofe para a Argentina, uma falsa promessa. Mas eu não diria que a esquerda está em apuros, diria que uma esquerda latino-americana populista, específica, é que está com problemas.

Cinco anos atrás, muitos amigos meus da América Latina diziam que a esquerda europeia tinha acabado, que a esperança eram os governos da América Latina. Agora vemos a verdade. Não apenas esse populismo latino-americano de esquerda não pode ser exportado, como ele não funciona nem na América Latina. Não é a resposta para os problemas do capitalismo global.

Por que não?

Porque não é uma alternativa eficiente, só isso. Foi apenas um pouco de intervenção do Estado, um pouco de redistribuição, que abriu caminho para corrupção. Funcionou por algum tempo. Era uma esquerda reformista light, não revolucionária.

O senhor já afirmou que será necessária “violência extrema” para lidar com o capitalismo global e outras situações. O senhor endossa a violência?

Todo mundo concorda que, em certas situações, é preciso lutar. E não é que eu pregue a violência, eu só quero mostrar que já há muita violência hoje. Por que todo mundo se concentra na violência revolucionária? Olhe para o mundo, olhe quanta violência já existe. Dizer que sou a favor da paz não significa nada.

Por exemplo, os israelenses são a favor da paz. Por que? Porque é conveniente para eles, paz significa que eles vão manter o que têm hoje. Todos os que estão ocupando a terra dos outros são a favor da paz, porque eles já têm o que queriam. Não estou dizendo que apoio ataques terroristas dos palestinos, mas só alerto para a hipocrisia de ser a favor da paz.

Como o senhor se sente quando é chamado de “Elvis da filosofia”?

Eu odeio. É um jeito de me atacar. Basicamente significa que sou um cara divertido que não deve ser levado a sério. Existe uma indústria dedicada a me tornar popular como forma de me neutralizar. Você pode destruir uma pessoa ao elogiá-la. Eu publiquei um livro sobre Hegel, “Menos que Nada: Hegel e a Sombra do Materialismo Dialético”, me diga, onde está o Elvis lá?

Advertisements