IPATINGA E A INDUSTRIA

[texto original]

Ipatinga sucumbe ao fraco desempenho da siderurgia
Usiminas trabalha na redução de custos, com foco no aumento da eficiência operacional

O município de Ipatinga, no Vale do Aço, assim como toda a região, enfrenta desde 2009 o enfraquecimento da siderurgia, atividade em que se apóia praticamente toda a economia local. Este ano, porém, o mergulho na crise ganhou profundidade, uma vez que, além da desvalorização do aço, a indústria naval e de óleo e gás também atravessam dificuldades com perspectivas de se manterem no longo prazo.

Fornecer para a indústria do petróleo foi uma tentativa de diversificar a economia e diminuir a dependência da Usiminas, mas a crise na Petrobras inviabilizou esse plano. Na siderurgia, a queda no consumo de aço por seus principais clientes, como a indústria automotiva, exige ajustes nas despesas da Usiminas.

Com perspectivas de aumento, as demissões na indústria siderúrgica e em seu cinturão de fornecedores já se confirmou, com reflexos sentidos no comércio e no poder público.

De janeiro a maio deste ano foram recebidos pelo Executivo R$ 61 milhões em ICMS, montante R$ 8 milhões inferior ao de igual período de 2014. “Quando a Usiminas reduz sua atividade, as empreiteiras reduzem também. A prefeitura arrecada menos e o comércio vende menos. Não tem como fugir disso, uma vez que é a maior empregadora da cidade”, disse a prefeita, Cecília Ferramenta (PT).

No comércio, placas de “aluga-se” são cada vez mais comuns, com fechamento de lojas ou mudança para pontos comerciais menores. “O comércio não é uma ilha. Se o setor de aço vai mal e a alternativa que se tentou não deu certo, vamos ter impacto. É um efeito cascata, com a redução do poder de compra dos trabalhadores”, disse o presidente da Associação Comercial de Ipatinga (Aciapi), Luís Henrique Alves.

O menor poder compra é explicado pelo diretor do Sindicato dos Metalúrgi-cos de Ipatinga (Sindipa), Geraldo Magela. “A Usiminas alega que por causa da crise não pode dar reajuste real na campanha salarial, e esse argumento é acompanhado pelas terceirizadas”, disse.

GANHO

Magela informou que na campanha salarial 2013/2014 o ganho real foi de 0,58% na Usiminas e seguido exatamente igual pelas outras empresas da base do sindicato. De 2014/2015 foi apenas a correção da inflação.

A Usiminas fez uma proposta de redução da jornada de trabalho com equivalente redução salarial aos trabalhadores. O sindicato já recusou. “A estimativa atual de queda no consumo aparente de aços planos no Brasil é de 6% frente a 2014. Em face deste cenário econômico adverso, a Usiminas permanece trabalhando em redução de custos, com foco maior no aumento da eficiência operacional de suas linhas de produção e com o objetivo de preservar, ao máximo, seus trabalhadores”, disse a empresa, em nota.