DISCIPLINA NPGAU – NARRATIVAS DE PODER E ESPAÇO: URBANISMO DE GUERRA, PAISAGENS DA AMNÉSIA, ARQUITETURA DA VIOLÊNCIA – 2sem2016

A presente disciplina tem como objetivo discutir as narrativas que tem como objeto de trabalho o espaço socialmente vivido, sua intrínseca violência e as paisagens visíveis e invisíveis por um viés multidisciplinar, indo desde a Arquitetura e Urbanismo passando pela antropologia, literatura, cinema, fotografia e sociologia. Pretende-se abordar o modo como os discursos sobre o espaço são construídos, sob quais bases as imagens são geradas e a relação da narrativa com a dimensão da experiência, construindo um quadro de inteligibilidade cuja função é permitir pensar a narrativa como exercício de pensamento epistemológico. Assim, pretende-se compreender de forma crítica suas codificações instrumentalizadas e institucionalizadas como relatórios, arquivos, catálogos e banco de dados até formas mais abertas como a filmagem, os ensaios fotográficos e as narrativas do cotidiano.

 01. Apresentação da Disciplina

+ o narrar, a experiência e a vivência

BENJAMIN, Walter. A Obra de Arte na Era de sua Reprodutibilidade Técnica. IN: BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. Volume 01. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. O Narrador. Considerações sobre a obra de Nicolai Leskov. IN: BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. Volume 01. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. Sobre o Conceito da História. IN: BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. Volume 01. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. Experiência e Pobreza IN: BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. Volume 01. São Paulo: Brasiliense, 1985.

+ compartilhar o sensivel

RANCIERE, Jacques. A Partilha do Sensível. São Paulo: 34, EXO, 2005.

+ ensaio como forma: a prosa

ADORNO, Theodor. Ensaio como Forma IN: _______________. Notas de Literatura I. São Paulo: 34, 2003.

AGAMBEN, Giorgio. Ideia de prosa. Lisboa: Cotovia, 1999.

+o que é o contemporâneo

AGAMBEN, Giorgio. O que é o Contemporâneo. Chapecó: Argos, 2009.

BARTHES, Roland. Como Viver Junto? Simulações Romanescas de Alguns espaços Cotidianos. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

.o exercício de poder

FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade. São Paulo: Matins Fontes, 2004.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território e Governamentalidade. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

.a produção do espaço, inclusive suas imagens

LEFEBVRE, Henri. The Production of space. Blackwell, 1992.

ANDERSON, Benedict. O censo, o mapa e o museu IN: _____________Comunidades Imaginadas. Reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

02. Sobre funções

+o discurso e a narrativa

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1999.

CRIMP, Douglas. Isto não é um Museu de Arte. IN: ___________. Sobre as ruínas do Museu. São Paulo: Martins fontes, 2005.

+o autor

FOUCAULT, Michel. O que é um autor. Lisboa.

STRATHERN, Marilyn. Os Limites da Autoantropologia. IN: _______________. O efeito Etnográfico. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o Subalterno Falar?. Belo Horizonte: EdUFMG, 2014. (!!!)

Al Jazeera. Rebel Architecture. The Pedreiro and the Planner. 2014

FOUCAULT, Michel. A Vida dos Homens Infames. IN: Estratégia, Poder – Saber.Ditos e Escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

+a (micro)história

LEVI, Giovanni. Sobre a Microhistória IN: BURKE, Peter (org.). A Escrita da História. Novas Perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

Conterrâneos Velhos de Guerra. Direção: waldimir Carvalho. 1991.

+recortar e recortar

WARBURG, Aby. Imagens da região dos Indios Pueblos na America do Norte. IN: __________. Histórias de Fantasma para Gente Grande. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

WARBURG, Aby. Memórias de Viagem à região dos indios pueblos na América do Norte. IN: __________. Histórias de Fantasma para Gente Grande. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

WARBURG, Aby. Remontar, Remontagem (do tempo). Chão de Feira. n. 47. 2016

+ diversidade epistemologica do mundo

SANTOS, Boaventura de Souza, MENESES, Maria Paula, NUNES, João Arriscado. Para ampliar o cânone da ciência: A diversidade epistemológica do mundo IN: SANTOS, Boaventura de Souza (org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilizacão Brasileira, 2005. p.21-121. (!!!)

03. Arquitetura da Violência

+a arquitetura e a violência

TSCHUMI, Bernard. O Prazer da Arquitetura IN: NESBITT, Kate. Uma Nova Agenda para a Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2007 (!!!)

SILVA, Luis Felipe da Cunha e. Sobre a Inutilidade e Desnecssidade da Arquitetura. Revista Eletrônica VItruvius. 126.11

JACOBS, Jane M., CAIRNS, Stephens. Ruins. IN: ______________. Buildings must die. A Perverse View of Architecture. MIT, 2014.

+a fotografia

SMITHSON, Robert. Hotel Palenque. (!!!)

FLUSSER, Vilem. Filosofia da Caixa Preta. Ensaios para um Futura Filosofia da Fotografia. São Paulo: HUCITEC, 1985.(!!!)

MARTINS, José de Souza. A fotografia e a Vida Cotidiana: Ocultações e Revelações. IN: ________. Sociologia da Fotografia e da Imagem. São Paulo: Contexto, 2008.

04. Paisagem da Amnésia

+a paisagem

Desocidentar-se: Aberturas e Caminhos para o Outro. Entrevista com Maria Inês de Almeida. Revista Em Tese. v. 19. N. 03. Set-dez 2013. (!!!)

ALLYS, Francis. When Faith moves Mountans. Fonte: www.francisalys.com, acessado em 11 de agosto de 2016.

Weizman, Eyal. Destruição “Inteligente”. IN: PEDROSA, Adriano, LAGNADO, Lisette (org.). 27a Bienal de São Paulo: Seminários. Rio de Janeiro: Cobogó, 2008. (!!!)

Al Jazeera. Eyal Weizman.Rebel Architecture:  Architecture of Violence. 2014.(!!!)

+sobre o documentário:

DOMINGUES, Sergio Augusto. Ideias para um projeto futuro sobre cinema indígena. IN: Catalogo FORUMDOC. 2015. Filmes de Quintal, 2015.(!!!)

BRASIL, André; MIGLIORIN, Cézar. Biopolítica do amador: generalização de uma prática, limites de um conceito. Revista Galáxia, São Paulo, n. 20, p. 84-94, dez. 2010.

MENEZES, Paulo. O nascimento do cinema documental e o processo não civilizador. IN: MARTINS, José de Souza, ECKERT, Cornelia, NOVAES, Sylvia Caiuby (orgs.). O imaginário e  Poetico nas Ciencias Sociais. Bauru: EdUSC, 2005.

QUEIROZ, Ruben Caixeta de. Cineastas Indígenas e Pensamento Selvagem. IN: Revista Devires. V. 05. N. 02. 2008. (!!!)

05. Urbanismo de Guerra

+ guerra ameríndia

CLASTRES, Pierre. Guerra nas Sociedades Ameríndias. IN: __________Arqueologia da Violência. Pesquisas de Antropologia Política. São Paulo; Cosac Naify, 2011. (!!!)

CLASTRES, Pierre. Sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

+ guerra das imagens aereas

HERSCHER, Andrew. From target to witness: Architecture , Satellite Surveillance, Human Rights. IN: KENZARI, Bechir. (ed.) Architecture and Violence. Barcelona: Actar. (!!!)

+ guerra no espaço urbano militarizado

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetaculo. Comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

GRAHAM, Stephen. The New Military Urbanism IN: __________Cities under Siege. The New Militarian Urbanism. London: Verso, 2010.

+o testemunho, a memória

SEBALD, W. G. Austerlitz.

SEBALD, W. G. Guerra Aerea e Literatura.

CALIXTO, Fabiano (org.). Vinagre. Uma Antologia de Poetas Neo Barrocos. São Paulo: V de Vandalo, 2013.

06. Territórios e imagens

GANZ, Louise. Imaginários da Terra: Ensaios sobre Natureza e Arte na Contemporaneidade. Tese de Doutorado – Escolar de Belas Artes, Universidade Federal Rio de Janeiro, 2014.

LOURENCO, Tiago Castello Branco. Cidade Ocupada. Dissertação de Mestrado – Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.

07. Sobre Eu e o Mundo

FREIRE, Simone Cortezão. Cartografia da Paisagem Alterada. Dissertação de Mestrado – Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, 2015. Vol. 01 + Vol 02

MUSA, Priscila Mesquita. Movimentos Imagem. 2015. Dissertação de Mestrado – Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.

08. Apresentação de Proposta de Trabalhos Finais

A avaliação da disciplina consiste num artigo acadêmico de tema livre, relacionado às aulas e à bibliografia de referência. No seminário cada estudante apresenta o tema de sua escolha, uma estrutura preliminar do desenvolvimento intencionado e a bibliografia que pretende utilizar. Quanto mais desenvolvido estiver esse material, mais útil será a discussão.

Dicas:

-escolha um tema específico e pontual;

-estrutura livre não significa sem estrutura;

-deixe claro desde o inicio do texto o seu lugar de enunciação e o tipo de discurso que está a fazer;

TRABALHOS

01. DOCumentário – 10ptos

documentário da aula
.produção de um documentário da aula.
.somente podem ser usados recursos escritos.
.o documentário deve ser apresentado na aula seguinte
.deve ser entregue uma cópia para cada aluno da sala.
.tamanho máximo: três folhas, frente e verso.
-ele deve ser texto corrido. Deve ser bem organizado e compreensível a qualquer um, pois estará no blog que é de acesso publico!
-É importante que as discussões em sala aparecam de alguma forma. Não adianta ser apenas o que está escrito no quadro em forma de esquemas apresentados. Os exemplos, referências outras filmicas, literárias ou quaisquer outras devem aparecer porque para além do que escrevo no quadro, isso é o que nunca tem visibilidade e esse é o objetivo do documentário.
Uma cópia digital deve ser enviada para urbanismoguerra@gmail.com.
critério de avaliação
-texto: conteúdo
-referências externas
-exemplos esclarecedores

02. APRESentação – 10ptos

.cada aluno se responsabiliza por apresentar o texto, de forma breve, nas aulas seguintes; os não responsáveis, devem produzir duas perguntas/questões.
.deverá ser entregue um texto escrito para a apresentação para cada aluno da sala.
.tamanho máximo: não especificado, mas tendo como condicionante uma duração que não ultrapasse 30 minutos e não haverá uso de recursos audiovisuais.
.uma cópia digital deve ser enviada para urbanismoguerra@gmail.com
critério avaliação
-texto: conteúdo
-referencias externas
-exemplos esclarecedores

03. DEBatedores – 10ptos

.cada aluno se responsabiliza pela leitura de uma das dissertações e teses a serem aspresentadas nas aula 06 e 07 a fim de debater com os autores.
.deve ser entregue para todos uma apresentação da dissertação/tese, colocando as seguintes questões: 01.Como a vivência profissional e/ou pessoal do autor afetou na construção dessa experiência que é a dissertação/tese? Ou seja, em que medida o autor e o discurso se tornaram objeto de pesquisa através do trabalho e como isso foi trabalhado; 02. Como a vivência de trabalhos e mesmo pessoais foi problematizada cientificamente no contexto da estrutura de sua dissertação?; 03. Como foi problematizada as imagens fotográficas e visuais de sua autoria assim como entrevistas e falas de outros no contextos da estrutura de sua dissertação?.
.tamanho máximo: três folhas, frente e verso.
-ele deve ser texto corrido. Deve ser bem organizado e compreensível a qualquer um, pois estará no blog que é de acesso publico!
.critério avaliação
-texto: conteúdo
-questões relacionadas a narrativa

04. NARrativa – 70ptos

a partir do dispositivo escolhido – as codificações instrumentalizadas e institucionalizadas da arquitetura, urbanismo e paisagem como relatórios, arquivos, catálogos e banco de dados até formas mais abertas como a filmagem, os ensaios fotográficos e as narrativas do cotidiano – produzir uma narrativa investigativa textual
.enviar por email, em formato doc (jpg para imagens, em separado), para urbanismoguerra@gmail.com
critérios de avaliação
-texto
-evento escolhido
-relação dispositivo – agenciamento – inoperância
-interdisciplinaridade

Advertisements