SOBRE CIRCULAR

[texto original]

Foi liberado na madrugada desta sexta-feira o trecho da estrada de ferro Vitória a Minas, da empresa Vale, que havia sido bloqueado na tarde passada por ordem do prefeito de Baixo Gundu (ES), Neto Barros (PcdoB), em protesto contra a falta de plano emergencial para conter danos da poluição do Rio Doce causada pelo rompimento das barragens em Mariana, Região Central de Minas.

Saiba mais

  • Prefeito de Mariana quer R$ 500 milhões da Samarco para vítimas de tragédia ambiental
  • Governo federal cria comitê para avaliar respostas ao desastre em Mariana
  • EM passa um dia em povoado isolado após tragédia em Mariana
    EM passa um dia em povoado isolado após tragédia em Mariana
  • Prefeito de Mariana encara maior desafio da cidade poucos meses após assumir o cargo
    Prefeito de Mariana encara maior desafio da cidade poucos meses após assumir o cargo

Segundo a assessoria de imprensa da Vale no Espírito Santo, a empresa conseguiu uma ação de reintegração de posse na Justiça para a liberação da ferrovia, e a ordem foi cumprida hoje. Os trens já circulam normalmente.

O prefeito de Baixo Guandu usou duas retroescavadeiras, uma pá mecânica e uma motoniveladora da administração municipal para fazer o bloqueio, que começou no fim da tarde de quinta-feira. Os equipamentos foram colocados na passagem de nível da ferrovia na cidade.

O protesto liderado pelo prefeito recebeu o apoio da população, ansiosa diante da falta de qualquer comunicado por parte da Samarco sobre um plano de emergência diante do risco de desabastecimento de água. A lama ainda não tomou conta das águas do Rio Doce no município, impedindo a captação de água, mas o temor acomete os moradores.

O prefeito Neto Barros foi procurado, mas não foi encontrado. Em mensagem no Facebook, o prefeito da cidade de 30 mil habitantes já havia detalhado o plano. “Comunicamos à Vale e à sociedade que a prefeitura colocará suas máquinas sobre os trilhos da estrada de ferro Vitória a Minas e paralisará o transporte de minério de ferro”, escreveu. Barros afirma que a situação visa expor e a responsabilizar a empresa pelo “crime ambiental” cometido na região.

VALE E SAMARCO PROCURAM PREFEITO
Nesta sexta-feira, representantes da empresa e da Samarco procuraram o prefeito e eles devem se reunir ainda hoje. Pela manhã, eles visitaram uma obra da cidade, que está em andamento, para captação de água do Rio Guandu, para o caso do trecho do Rio Doce ser atingido pela lama.

A prefeitura explica que atualmente a captação de água do município é feita pelo Rio Doce. A mancha de lama está em Resplendor e já se aproxima da reserva da usina de Aimorés, na cidade vizinha a Baixo Guandu. Foi feita uma coleta de água na cidade e o resultado dos exames deve sair amanhã.

Até o momento, a captação do Rio Doce ocorre normalmente. Caso a obra de captação do Rio Guandu, que sofre com a seca, não fique pronta, já foi feita uma parceria com a cidade de Aimorés, que vai ceder o recurso do Rio Manhuaçu para o município. A água será levada em caminhos auto-tanque para ser tratada no Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Guandu, e distribuída pela população em caminhões-pipa.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s