O radicalismo colateral da cidadania pacífica

Laboratório Filosófico

Tanto as manifestações de junho de 2013 quanto a de março de 2015 contaram com seus próprios vândalos de plantão. As primeiras tinham os Black Bloc que, pilhando latas de lixo, paradas de ônibus e bancos Itaú, espantaram a opinião pública e forneceram à mídia reacionária o precioso material com o qual ela desqualificou estrategicamente o grande movimento. Já a de 2015 também contou com seus radicais imediatamente objetáveis, apelidados de Yellow Bloc e apólogos da ditadura militar, cujo vandalismo, por sua vez, destrói a própria democracia. Assim como os arruaceiros mascarados, os desordeiros verde&amarelo expressaram a pior e mais reprovável face do que estava sendo manifestado democraticamente nas ruas de março.

É importante frisar que os Black e os Yellow Bloc eram minorias absolutas dentro de suas respectivas massas. No entanto, a presença de ambos protagonizou a performance da “multidão de bem”, matizando com cores tirânicas e inaceitáveis as…

View original post 810 more words

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s